Hostilidade de filhos de Bolsonaro a aquecimento global preocupa ambientalistas

Acordo de Paris ambientalistas aquecimento global Bolsonaro Brasil Carlos clima contrários deputado Eduardo EUA farsa Filhos Flávio governo hostilidade imagem meio-ambiente mudança climática Noticias do amazonas Polêmica Política poscionamentos Presidente Redes Sociais Senador Twitter Video

Além das ameaças do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), de sair do Acordo de Paris, os seus filhos têm um histórico de críticas e deboche quanto ao aquecimento global.
No país, a saída do pacto estaria condicionada à aprovação pela maioria na Câmara e no Senado -o PSL de Bolsonaro terá a segunda maior bancada na Câmara Federal a partir de 2019.
Nas redes sociais, os filhos do presidente eleito têm um histórico de críticas e deboches sobre o assunto. (Foto: Arquivo pessoal/Reprodução)
Desde o ano passado, há menções de Carlos, Flávio e Eduardo Bolsonaro no Twitter sobre aquecimento global. “O aquecimento global proporcionando o dia mais frio do ano no Rio de Janeiro!”, escreveu o vereador Carlos Bolsonaro na “A nova dos destruidores de reputação e comedores de alfafa: quem ñ acredita em aquecimento global acredita em terra plana! É mta maconha!”, disse.Seu irmão Flávio, senador eleito pelo Rio de Janeiro, também se referiu ao aquecimento global como farsa e compartilhou um link que seria sobre o assunto (atualmente o endereço leva a uma página não relacionada ao assunto).
No início de 2018, o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro gravou um vídeo em meio à neve nos EUA, no qual citou o presidente Donald Trump e a saída do pacto, e disse que o aquecimento global é uma farsa.
Em outro post o filho do capitão reformado diz: “O termo aquecimento global ficou muito cara-de-pau, então convencionaram mudar para mudança climática, como se a Terra durante toda a sua existência não estivesse em constante mudança. Mas não se engane, as intenções seguem as mesmas.”
A hostilidade aberta preocupa analistas. Para o cientista político Antonio Lavareda, o principal capital de um país que não é potência militar e nem econômica é a imagem. “Há uma consciência global em relação ao ambiente e qualquer postura desafiadora em relação ao Acordo de Paris causaria um arranhão na imagem do país”, afirma.
O Acordo de Paris foi assinado em 2015 por 195 países que se comprometeram a limitar o aquecimento global preferencialmente a até 1,5°C. Pelo acordo, o Brasil deverá reduzir em 37% suas emissões de gases de efeito estufa até 2025 e chegar a 43% em 2030.
O coordenador do Programa de Política e Economia Ambiental do FGVces (Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas), Guarany Osório, avalia que o aquecimento global é um problema que afeta a segurança nacional. “O aumento de temperatura a médio e longo prazos faz com que eventos extremos sejam mais frequentes e severos. A mudança climática afeta a segurança hídrica, alimentar e energética. Desconsiderar isso em política de planejamento é o mesmo que negligenciar riscos futuros.” Para o especialista, o Brasil é um ator importante nos processos multilaterais sobre o clima.
Assim que anunciada a vitória de Bolsonaro, o Observatório do Clima, uma das ONGs mais importantes sobre ambiente, disse que fará cobranças pelo cumprimento das metas climáticas.
“Abandonar o tratado climático acarretaria em sérios problemas para os interesses econômicos e a imagem do país, que teve momentos de propagandismo na implementação do acordo; provou que era possível reduzir emissões pelo combate ao desmatamento e serviu de exemplo para a comunidade internacional -em 1992, o Brasil sediou a convenção Rio 92”, afirma o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Ritt.
Qualquer nação que sair do acordo terá a relação com a França abalada. Em seu discurso na reunião da assembleia-geral da ONU, em setembro deste ano, o presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu a exclusão de acordos comerciais com países que deixassem o Acordo de Paris. Ao parabenizá-lo pela vitória na eleição, o presidente francês falou em “princípios democráticos” e que espera manter a cooperação bilateral no âmbito da “diplomacia ambiental”.
“Sair do pacto significa deixar de cooperar para a solução de problemas que envolvem o aquecimento global, que é uma questão mundial, e o Brasil passaria a ser visto como um problema não só para a França, mas para o mundo”, diz Carlos Rittl.
Já o partido do presidente francês, A República em Marcha, chegou a dizer em uma rede social que Bolsonaro é cético em relação ao aquecimento global, homofóbico, sexista e racista. 
“Adotar uma política irresponsável para o ambiente será desastroso ao país. O patrimônio ambiental brasileiro é uma riqueza e não deveria ser visto como um problema, como aparece nos planos de Jair Bolsonaro. É preciso que Bolsonaro se dê conta da sua responsabilidade. O acordo é importante para a economia do Brasil, a sociedade brasileira, a agricultura e o equilíbrio do clima mantêm a imagem do país como um líder perante a comunidade internacional no que tange à agenda de clima”, afirma Carlos Rittl.
(*) Com informações da Folha Press
O post Hostilidade de filhos de Bolsonaro a aquecimento global preocupa ambientalistas apareceu primeiro em Amazonas1.